Tuesday, May 30, 2017

Deadly Pistachios, 324


(Da série Week-End) Desiree, Alex Prager, 2010

Labels:

Wednesday, May 24, 2017

Safo


'Sappho', Robert Crombie, Ukraine, 2008

A despedir-se de si mesma, Safo
Deixou duas rosas que seguravam
Do vento uma folha em branco.

Até quando? Roseiras, lajes, céus,
De cada vez o precipício é maior.
O cisne negro no cimo do telhado.

Agora, ou nunca, amanhã, depois.

Jesus Carlos

Labels:

Saturday, May 20, 2017

Deadly Pistachios, 323


Hiromi and Thea in a Yellow Room, Guido Argentini, 2007

Labels:

Monday, May 15, 2017

Rainha Madrid


'My Winnipeg', Guy Maddin, Canada, 2007

Assim glorificada de neve, vestida
De algidez, de mantilha e cetro,
De luzes adornada, deleites, dores,
A procissão dos vícios e a elegia
Na fome dos lugares santos. Rainha,
A cidade é um palco, canta, coroada
De noite sem fim, com os homens
Pendurados como estampas. Santa,
A cidade que se agita, entre lojas
Iluminadas, bordéis, igrejas. Atriz,
Meretriz, mendiga, luxo de rainha,
Corpo de pérola, brincos ciganos,
Cabelo longo, sexo de vinho. Monja,
Que passa desnuda pelo corpo nu
Do Cristo, com o pénis sangrento e
Murcho, por círios, e talhas, lírios,
Para se entregar ao seu amante,
O níveo e eterno esposo Inverno,
Que a ergue alado no ar gélido.

Jesus Carlos

Labels:

Monday, May 8, 2017

Deadly Pistachios, 322


It's Our Pleasure to Disgust You, Barbara Kruger, 1982

Labels:

Tuesday, May 2, 2017

Vidro Com Teia


Untitled, Diggie Vitt, 2014

Passam as estações, o coração muda. Sem nada guardar, como uma metafísica do vidro, a absoluta transparência, nada aqui, uma ausência de tudo na forma de um corpo, com os olhos colados à janela e o filme do suicídio das folhas, entre o vulto escuro das árvores. Ampulheta de pó de unhas, cabelos, lábios, lamentos. Se recuarmos, o fim passa a ser o início. Uma múmia entrapada de rosas. A cerveja que já ninguém bebeu. Não suporto esta corrupção dos corpos, a doença, a velhice, e vou ser uma estátua coberta de musgo, esquecida dentro da floresta. A morte que ama a morte, com alguma coerência lógica, lírios e couves, vermes e pássaros, e uma coroa última de apocalíptica beleza.

Jesus Carlos

Labels:

Moleskine de Scardanelli © 2012 (3rd edition) | Panel