Thursday, November 29, 2012

Deadly Pistachios, 20


Ada And Zeus, James Porto, 1998

Labels:

Tuesday, November 27, 2012

Cesariny Na Morte


Red Sky, Julie Hedrick, 2009

Face a face com a morte, Pessoa pediu os óculos, o pedante do Goethe, mais luz; dentro deste mar negro da morte sem fim, que abafa a luz deste quarto, que sobe pela manhã e agita o terror entre as estrelas, acho que vou ficar calado e morrer apenas.
Podem apagar a luz.

Jesus Carlos
Lisboa, 26 de Novembro de 2006
O poeta e pintor Mário Cesariny morreu a 26 de Novembro de 2006, de madrugada em sua casa, em Lisboa cerca das 5h30, aos 83 anos.

Labels:

Monday, November 26, 2012

Mário Cesariny, O Morto Vivo


Emerald Light, Julie Hedrick, 2012

O ouro é tarde, o azul marinho é lento, o mar, sem fim; hoje ainda não é o dia de morrer a poesia, e o poeta tira a peruca diante da morte, vénia diante da condição trágica do poeta, nessa última réstea de luz no derradeiro areal da Finisterra.
O poeta é agora a morte em vida, o ouro tardio do fim, dentro do entardecer à beira-mar, e improvisa os seus versos no fulgor do purpurino quase: o roxo em cambiantes que se aproxima de sapatos negros de verniz, a morte, devagar, a morte que conhece todas as palavras ditas, sonhadas, por dizer. A morte está ali, quieta, muda, sentada na areia branca, vestida de treva luminosa diante do poeta.
O poeta faz um gesto final, elegante, aristocrático, irónico e, sem dizerem mais, dão respeitosamente as mãos. Não é uma despedida. O poeta corre morto para o mar e ao mergulhar no verde escuro da água, ocidental, tremenda, grita uma tinta que não há para dentro das vagas. A morte desaparece.

Jesus Carlos

Labels:

Friday, November 23, 2012

Deadly Pistachios, 19


The White Cosmonaut, Jeremy Geddes, 2009

Labels:

Wednesday, November 21, 2012

Planalto


Oak in the Snow, Caspar David Friedrich, 1827

Trabalha no escuro e cresce no silêncio
A árvore dobrada para as águas. Alta,
Nas profundezas da alma.
Ergue-se, esquálida, entre escuras fragas.
O céu do que se move em fundas águas.
Sombra que escuta o abismo.
Nada a liga a nada; o vazio mais puro,
Guarda uma pureza de talha. É um poço onde
A morte frutifica. As raízes suspensas;
Devorada pela luz.
Fosse a vida esta altura.

Jesus Carlos

Labels:

Monday, November 19, 2012

Deadly Pistachios, 18


Just another day to live, Albulena Panduri, 2010

Labels:

Saturday, November 17, 2012

Cantares De Um Desterrado II


Finisterra, Ralph Dinkel, 2006

Erros meus, má fortuna, amor ardente me precipitaram nesta cava do tempo, depois do rio de névoa eterna, esqueci o sabor do leite e do mel, o odor da chuva, a prata bailarina da brisa e o retorno das cegonhas na estação dos cardos, a canícula abraçou o gelo dos cumes, congelada e igual, como uma torre fantasma no delírio dos sonhos, uma haste de frio e lume, e a minha palavra desceu à sombra. Deitei-me no chão, entre os mortos, e os vermes encheram-me a boca de terra, o sudário pesado da morte que me cala, fosse um segredo, transformou-me, primeiro na obra da carne, para que não lhe resistisse a alma, vencida, então, para a erguer no Outono seguinte ao ouro. Não me lamentem as aves e os regatos, as mulheres e os santos.

Jesus Carlos

Labels:

Thursday, November 15, 2012

Da Alma, No Meio Do Esterco


(Da série Underwater) Underwater Study nº 2923, Howard Schatz, 2005

A alma é o mais improvável dos estados existenciais quando se vive no abismo e o mais heróico dos actos de apropriação de si. Tudo o mais é lixo, por baixo, por cima e em redor.

Jesus Carlos

Labels:

Tuesday, November 13, 2012

Agostinho Da Silva


Agostinho da Silva, Noé Ramos, Lisboa, 17 de Novembro de 1988

Eu, Agostinho, a quem dizem sábio,
Devagar ao fim da minha vida chegado,
De conluio entre o cadáver e o menino,
Por herança vos deixo a pomba e a espada.
Cada um somos o monge e o cavaleiro –
Os mansos fazem a guerra; o fogo, a paz.
O erro acerta, a verdade é ilusão.

Com pátios e palmares, ilhas e terraços
Abram o meu sudário toalha em mesa posta.
Esperem-me na última alba, por vir,
Toda luz estendida de filigrana de asas,
Azul pura como no mundo dos azulejos.
Vosso, servidor, nunca servo, livre.

Jesus Carlos
Publicado no Nº3 da Nova Águia, Revista de Cultura para o Século XXI, 1º Semestre de 2009, Ed. Zéfiro, Lisboa, 2009

Labels: ,

Sunday, November 11, 2012

Deadly Pistachios, 17


Mummified corpses at the Convento dei Cappuccini, A. W. Cutler, Palermo, Italy, 1924

Labels:

Friday, November 9, 2012

Nenhures


Moonlight Night, Nikolai Platonovich Andreev, 1924

Imóveis, as casas de colmo negro esperam
Que o Outono desate os feixes que o Inverno
Há-de levar água abaixo. A geada, a ruína
De torres mortas paredes meias com o sonho
Não esmorecem a nobreza de antanho.
Na alba, os vivos e os mortos edificaram-nas
E uma estaca de gelo aponta o trilho
Ao viandante, mas também ao falcão.

Jesus Carlos

Labels:

Wednesday, November 7, 2012

Cometa 90


Starry Night Over the Rhone, Vincent van Gogh, 1888

Os carros estacionam homens. As pedras deixaram de cantar. As flores vulcânicas rodam para as vagas altas com coroas de pó e lume preto. O sumido esqueleto de um pássaro resiste ainda.
Os filósofos acreditam que há sistemas que explicam o mundo. Talvez, mas não parece que a realidade se importe com isso. Talvez não saiba ler. Talvez a única ilusão seja pisar a terra, ouvir o som dos próprios passos, dar um último gole na garrafa que se atira para as águas. Última mensagem, última vaga sobre os pés. O húmido frio. O sanguíneo pôr-do-sol.
Um espelho no bolso, isqueiro, tabaco. Quando cair o cometa quero estar nas Canárias, numa tortilharia esconsa, a ver telenovelas argentinas.

Jesus Carlos

Labels:

Monday, November 5, 2012

Nocturno Do Gerês


Trees, Lars Monrad Vaage, 2006

As sombras das árvores eram nada e as próprias
Árvores eram sombra. Sonhei que o mundo
Não tinha peso e que uma fonte
Corria no seu eixo. Uma estrela
Beijou-me a boca e o amor
Corria sobre as águas. Na luz,
Amado, o seu corpo imenso levava-me para o alto.

Jesus Carlos

Labels:

Saturday, November 3, 2012

Deadly Pistachios, 16


Guitar Lesson, Balthus, 1934

Labels:

Thursday, November 1, 2012

Deadly Pistachios, 15


(Da série Myths & Fairytales) Down the Rabbit Hole, Cyril Helnwein, 2007

Labels:

Moleskine de Scardanelli © 2012 (3rd edition) | Panel